A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Mensagem  Sir Alucard em Qui 15 Abr 2010, 21:59

Olá senhores.
Primeiro gostaria de apresentar a vocês algo sobre o universo que eu criei. Estas histórias se passam num lugar diferente, onde a magia faz parte do cotidiano. Oribier é o nome dessas terras. Lá, muitos reinos surgiram e foram destruídos, porém alguns remanescem até hoje, com é o caso do Império da Família Tradill, que esta história há de contar como começou.
Não tenho certeza, mas acho que a geografia está um pouco complicada de entender. Estou providenciando um mapa (no melhor estilo de Senhor dos Anéis) para ajudar nisso ^^"
Um outro ponto que pode ser um pouco confuso para entenderem são os nomes diferentes, tais como Irdo e Telran... já estou fazendo um dicionário para dizer... para esta parte da história, basta dizer que Irdo são humanos que nasceram com o dom da mágica.

Bem, por enquanto é isso...
Espero que gostem do que aconteceu, acontece e acontecerá em Oribier.
Que a Força esteja com vocês!
Sir Alucard
Sir Alucard
Membro
Membro

Mensagens : 5
Reputação : 1
Data de inscrição : 15/04/2010
Idade : 29
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty (PARTE 1)

Mensagem  Sir Alucard em Qui 15 Abr 2010, 22:03

Quando os ventos do mundo começaram mudar, uma caravana de vinte Irdos caminhavam pelas terras de Arzum. Vinham de regiões mais orientais e buscavam as terras do sul, onde se dizia que a magia era mais bem vinda.
Vagavam há muitos dias, cuja conta fora perdida. Seus espíritos estavam exautos da viagem, mas ainda tinham no mínimo mais um mês pela frente.
Antes do anoitecer, encontraram uma vila e nela procuraram hospitalidade. Ao que parecia, pouco do que fora ainda era aquela vila, pois parecia abandonada.
Mal atravessaram as primeiras casas e um velho apareceu para eles perguntando quem eram e o que queriam.
- Somos apenas um grupo nômada que vêm paz, procurando as terras ao sul e, por esta noite, um local para descançar. – Respondeu Serpente, o líder do grupo.
- A paz há muito deixou este lugar. Mas pelo modo que estão vestidos, vejo que são Irdos... não precisam se alarmar, pois para mim são amigos.
O velhor, chamado Gum, levou-os até um grande estabelecimento, que antes era uma hospedaria, mas nos dias atuais não passava de uma casa abandonada.
- Talvez estes quartos lhe sirvam bem.
Depois de se dividirem em dois quartos grandes, Gum os levou a uma sala de jantar. Lá, encontraram outros moradores que ainda restavam naquele lugar, onde a única abundância era o medo. Sentaram-se numa mesa grande em companhia da esposa de Gum, uma senhora chamada Darta.
Um jantar simples foi servido e todos comeram em silêncio. A alegria parecia ser algo quase inexistente naquele lugar.
Depois de comerem, todos caminharam por um corredor até uma sala redonda. A noite já caíra e o local estava mal iluminado.
- É uma tradição a família se reunir após o jantar para conversar... em tempos passados, a conversa e o local eram mais alegres. Mas sei que os senhores não são daqui, se não quiserem partilhar de nossos costumes, sintam-se livres para irem a cama, ou onde sua coragem lhes permitir se for fora deste local.
Todo o grupo sentiu-se tentado ao descanço e grande maioria sucumbiu a tentação. Apenas Serpente e mais três homens ficaram, que se dispersaram pelo salão e conversaram com novas pessoas.
Serpente, entretanto, sentou-se com Gum.
- Então, meu caro Irdo, o que lhe traz aqui, de fato?
- Digamos que as artes que possuimos por natureza já não são tão bem aceitas no oriente. Estamos procurando terras mais amistosas para conosco.
- Mas são um grupo pequeno, pelo que vejo.
- Sim. Poucos pensam como eu e preferem fugir de problemas que são grandes demais para nós. Mas já que fala em grupos, todos aqui são de sua família, como você disse?
- Na cabeça sim. Depois de decair, todos os remanescentes formaram uma família. Os tempos pedem isso, infelizmente. Ao contrário de vocês, não temos para onde fugir.
- O que houve com este local?
Gum respirou fundo e começou a contar:
“Este vilarejo sempre foi pacífico. Nunca pensamos em guerras, mas tudo mudou quando a besta alada chegou ao Monte Aspam.
Isso aconteceu há uns três anos atrás. Ouvimos rumores sobre guerras no norte e muitos foram os viajantes que passaram por aqui, fugidos. Falavam sobre dragões atacando no norte, dragões que vinham de lugar nenhum. Dois dragões, mais precisamente.
A destruição do norte foi eminente, mas logo o terror desceu para o sul e eis que se instalou no Monte Aspam. As vezes, ele aparece voando no topo rochoso daquela agulha. Eu já o vi, duas vezes.
Desde que ele foi visto pela primeira vez, somado aos boatos vindos dos forasteiros, aqueles que tinham amigos ou parentes fugiram para terras mais distantes. O resto, ficou aqui, a mingua. Confesso que foi melhor em alguns aspectos, pois todos os que não prestavam neste lugar se foram e, embora tenhamos uma vida simples, somos mais unidos. Até hoje o dragão nunca se aproximou daqui e espero que nunca chegue. Fico imaginando quem teria trazido tal criatura para estes lados e com quais propósitos.”
Quando Gum acabou de falar, olhou pela janela e suspirou. Quando Gum voltou de seus pensamentos, levantou com um sorriso leve no rosto. “Melhor dormir”, disse o velho.
Serpente permaneceu sentado, afundado em pensamentos. Quando seus comapnheiros voltaram para perto de si, não restava mais ninguém e, ali, sozinhos conversaram em voz baixa.
Conforme os companheiros falavam o que descobriram, Serpente se encheu de pena por aquele povo. Não acendiam fogo alto para não chamar atenção do dragão – fosse pela fumaça ou pela luz. A comida que tinham era produzida no subsolo, por uma arte aprendida com os Gaadul da Terra. A única fonte de carne que tinham eram os peixes que conseguiam pegar no rio que vinha do oceano, uma vez que não ousavam ter gado ou galinhas. Suas roupas eram velhas e muito remendadas.
Os Irdos ficaram um tempo em silêcio e foram para seus quartos. Serpente, entretanto, dormiu pouco, pensando em tudo o que ouvira naquela noite.
Na manhã seguinte, quando todos os Irdos já estavam acordados, Serpente os chamou e disse de seu desejo de ajudar aquela gente que, mesmo não tendo muito, lhes ofereceu comida e abrigo. “Aqueles que não quiserem me seguir, peço apenas que fiquem aqui e auxiliem esta gente da forma que puderem, usando da nossa mágica”, disse Serpente ao grupo.
Quando Serpente disse que estava disposto a escalar o Monte Aspam e descubrir o que pudesse e, se preciso, desafiar o dragão, todos os Irdo se perguntaram qual a loucura que dominava seus pensamentos. Serpente, entretanto, não respondeu as perguntas deste tipo.
- Partirei esta noite, logo que o sol cair. Aqueles que forem me acompanhar, estejam prontos. Não levem mais que o necessário.

O dia passou ligeiro. O almoço foi servido no mesmo local da janta na noite anterior, porém mais farto e saboroso, já que por ordem de Serpente, os Irdo usaram de suas mágicas para criar dois barris de água em vrosca.
Durante aquele dia, nenhum moinho foi movido, nem nenhuma árvore foi cortada. O único trabalho feito foi na cozinha.
- É a única forma que encontramos de agradecer pos sua ajuda, Senhor Serpente. – Disse Gum pouco antes da janta que seria preparada antes do cair do sol naquele dia.
Um grande jantar estava sendo preparado, um que o vilarejo não via há muito tempo.
Quando o jantar foi servido, Gum se sentou ao lado de Serpente, junto a sua esposa. Desta vez, sentou-se aquela mesa também Diana, sobrinha de Gum que na noite anterior estivera em outra mesa.
Durante o jantar, Serpente soube que três homens lhe fariam companhia na jornada que se aproximava: dois que ficaram no salão na noite anteior, Londe e Dral e mais um chamado Artro. Serpente sentia grande estima e amizade pelos três e ficou feliz por tê-los como viajantes.
Após o jantar, quando o sol já quase não passava de uma lembrança daquele dia, Serpente se levantou da mesa, acompanhado dos três Irdo. A pouca conversa que existia, se extinguiu por completo e todos os olhares se dirigiram a eles.
Gum se levantou, junto a eles e disse:
- Deste dia em diante, este lugar terá uma eterna dívida com os Irdo. Quando retornarem, você, Serpente, será meu senhor e minha esposa lhe serviremos como pudermos.
Os quatro, pegaram alguma comida e fizeram um pequeno estoque de vrosca. “A montanha não fica longe, acho que em quatro dias estaremos de volta”, disse Serpente.
Serpente confirmou que todos os Irdo que deveriam assistir àquele povo da forma que pudessem, que voltariam a rumar para o sul quando voltassem.
Partiram, então, sem muita cerimônia. Seguiriam por uma estrada que levava a sudoeste. O Monte Aspam ficava numa ilhota desabitada – principalmente por causa do dragão naqueles dias -, mas que não distava de um quilômetro da praia.
A ilha, chamada Aspam, havia sido lar de uma civilização de Gaadul da Água antes do dragão aparecer e todos fugirem. Mas graças aos Gaadul, é sabido que foi construído um pequeno cais no fim daquela estrada, onde talvez ainda encontrariam alguns barcos que os pudessem levar à ilha.
Caminharam em silêncio. Serpente analisava em pensamentos o grupo que tinha e sentiu um certo receio de levá-los para aquela montanha. “Quero deixar bem claro que estão livres para voltar se desejarem. Eu irei até o fim”, dizia Serpente muitas vezes durante o trajeto.
Depois de muito caminharem, com pouca conversa, chegaram a uma ponte. Uma ponte simples, feita de pedra e madeira, já não em ótimas condições. Ela cruzava um fosso, provavelmente construído pelos Gaadul para proteger seu cais.
- Este lugar parece ter sido esquecido por tudo e todos. – Disse Dral enquanto pulava de um buraco na ponte.
Quando o sol começou a nascer, os Irdo chegaram no cais e lá decidiram descançar.
Serpente e Londe vigiariam no primeiro turno. Tomaram um gole de vroska e ficaram sentados, na porta do que, outrora, deveria ter sido um depósito de onde chegavam e partiam mercadorias embarcados e desembarcados em dias mais gloriosos.
Serpente olhou para a direção do Monte Aspam. Mediu a distância com os olhos. Levaria algumas horas apenas para atravessar a faixa de oceano que separava a ilha do continente. Mas o Monte era cercado por uma floresta e atravessá-la poderia levar mais que uma noite.
Mais ou menos quatro horas se passaram quando, subtamente, o silêncio foi quebrado por um rugido ensudercedor. Serpente olhou rápido para a ilha e viu dois dragões voando no alto do Monte e logo sumiram de vista.
Artro saiu depressa pela porta, seguido de Dral. Os quatro ficaram parados imóveis, apurando os ouvidos. Depois de passado o susto e nenhum outro sinal dos dragões aparecer, decidiram que era melhor trocarem os turnos.
Serpente entrou no depósito e deitou-se no chão, enrolando a capa para fazer de travesseiro. Serpente virou-se de lado, ainda calado e fechou os olhos, mas não conseguiu dormir.
Refletiu sobre o que sabia de dragões e se deu conta que sabia muito pouco para a aventura que se propusera fazer. Sabia que dragões eram em sua maioria ferozes e tinham vida longa. Seus poderes variaram de raça para raça. “Qual será a raça daquela criatura? Quais mágicas ele saberá fazer?”, perguntou-se Serpente.
Mais uma vez voltou o receio de levar os companheiros consigo e muito pensou sobre partir sozinho. Não sabia porque estava fazendo aquilo, mas não precisava levar três amigos à morte quase certa.

Depois de algumas horas inquietas, levantou-se e foi falar com os companheiros que estavam viajando.
- Senhores, agradeço o companheirismo, mas de agora em diante irei sozinho.
Ninguém respondeu. Serpente sabia que os dois estavam tentados a voltarem para o vilarejo.
- Não se preocupem, não os considerarei desertores se partirem. A fera tem o poder do medo em suas garras e dentes. E lembrem-se de que eu disse que poderiam voltar quando desejassem.
Dral abaixou a cabeça e refletiu em silêncio. Artro respondeu prontamente que ficaria com Serpente até o fim.
- Estamos juntos, Serpente. – Respondeu Londe da porta do depósito. Ele também não conseguira dormir, e foi totalmente desperto pelas palavras de Serpente.
Dral confirmou com a cabeça, mas sem dizer nada.
Serpente se sentiu feliz com a fidelidade e coragem dos companheiros. Olhou, apontando com o dedo, para o cume da montanha e gritou: “Logo nos encontraremos, besta alada!”
Sir Alucard
Sir Alucard
Membro
Membro

Mensagens : 5
Reputação : 1
Data de inscrição : 15/04/2010
Idade : 29
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty Re: A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Mensagem  [WM] Morgado em Dom 18 Abr 2010, 09:17

Ai cara
esta muito boa...
você já tinha me mandado um material sobre ela ^^
realmente está muito boa...continua escrevendo
[WM] Morgado
[WM] Morgado
Admin
Admin

Mensagens : 145
Reputação : 4
Data de inscrição : 11/04/2010
Idade : 28
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty Re: A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Mensagem  Bia-chan em Qua 21 Abr 2010, 12:55

gostei bastante.... continua escrevendo ... Very Happy

Bia-chan
Membro
Membro

Mensagens : 10
Reputação : 2
Data de inscrição : 11/04/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty (PARTE 2)

Mensagem  Sir Alucard em Qui 22 Abr 2010, 00:38

O vigor pareceu voltar aos Irdos, mesmo com as poucas horas de descanço que tiveram. Serpente não mais sentia receio de viajar de dia. Sentia a Graça dos Telran.
Enquanto Serpente descançava, Artro procurou nas na parte de trás do cais e achou um barco que ainda estava em condições de ser usado. Artro fora marinheiro em tempos passados e sabia manejar barcos e veleiros com perfeição.
Preparam uma rápida refeição e, em menos de uma hora, já estavam todos dentro do pequeno barco e partiram do continente principal.
A viagem não durou muito e foi bem tranquila. Os ventos estavam favoráveis e as águas sem maiores agitações. A Graça continuava com eles.
Ao se aproximarem da ilha, notaram com mais clareza os restos de uma população viveu ali; destroços de madeira, restos de construções de pedra e pertences semi-enterrados na praia. Pouco do que fora o cais ainda existia.
Quando a embarcação chegou a ilha, Serpente pediu a Artro que amarrasse com corda o barco a um dos pilares de sustento do cais, que ainda sobrevivera na praia.
Serpente olhou adiante. A floresta não estava longe, tão pouco as horas de Eloaf.
- Melhor chegarmos na floresta antes que a noite chegue. – Disse ao grupo, que concordou.
Pegaram as bolsas no barco e caminharam pela praia, em direção à muralha verde que parecia cercar a montanha. O vento fresco batia nos cabelos e na capa douradas de Serpente e isso lhe dava prazer, pois fazia-o lembrar das épocas em que era jovem e tudo era belo.
A vegetação começou a mudar rapidamente: logo não estavam mais caminhando na areia, mas numa grama alta, há muito não pisada. O cheiro da vegetação parecia reanimar a todos, até mesmo Dral que parecia ser o mais amedrontado com a demanda.
Quando chegaram nas primeiras árvores da floresta, a noita já estava começada. Pararam um pouco para descançar.
- Agora que vamos adentrar a floresta, é melhor invertermos. Viajaremos de dia. Não quero arriscar fazer luz no meio da noite. Viajaremos mais um pouco antes de dormirmos.
Dito isso, levantaram-se todos e continuaram a caminhar, o que se mostrou mais fácil do que imaginavam, uma vez que a lua brilhava cheia e a floresta não era densa em sua copa ainda.
A floresta, assim toda pintada de prata pela lua, tinha um tom fantasmagórico. Serpente caminhaca na frente, atentando seus ouvidos a qualquer ruído que não fosse os pés dos Irdos esmadando uma folha ou galho seco. Seus olhos eram rápidos para todos os lados.
- O que foi, Serpente? Acha mesmo que não veríamos um lagarto de uns dez metros de comprimento se ele estivesse por perto? – Perguntou Artron.
- O que me preocupa não são os dragões. – Respondeu num sussurro – Em um momento mais apropriado eu explico. Mas todos vocês devem prestar mais atenção a tudo a nossa volta. Em silêncio.
- Por que não explica logo? – Perguntou Dral no mesmo tom de voz.
Serpente respondeu com um olhar que dizia claramente “Por que você ainda está falando?”
Caminharam por mais uma hora. Acharam um local entre as árvores para dormir. Londe e Dral fariam o primeiro turno.
Serpente deitou-se olhando para o céu. Entre as folhas podia ver a lua brilhando intensamente. Como Serpente amava a lua. Sabia que estava protegido e adormeceu.
Serpente tivera um sonho do qual não se recordou mais tarde, com exceção de uma voz forte e trovejante, mas não sabia o que ela dizia.
Foi acordado três horas depois por Dral, enquanto Londe faria o mesmo com Artron. Os dois sentaram-se numa raiz alta de árvore e apuraram os ouvidos e olhos.
Artron parecia impaciente. A lua estava mais baixa, de modo que não iluminava mais tão bem quanto antes. A escuridão parecia lhe deixar agitado. Olhou para Serpente, que parecia estar concentrado em olhar a noite, como se a escuridão não fosse problema para seus olhos.
Pela primeira vez, Artron começou a pensar sobre o líder daquele grupo.
Serpente apareceu trajando a mesma capa dourada que usava agora numa noite em Artrinco, uma cidade no extremo norte do continente principal. Uma suposta guerra contra os Irdo estava sendo formada, pois os Gaadul que lá moravam já não aceitava tão bem a magia e o método dos Irdo, que estavam dispostos a revidar na guerra.
Num momento de intenso desespero, Serpente surge e tenta convencê-los de que a guerra não adiantaria nada a não ser derramar sangue. Este propôs a fuga. Vários Irdo pensavam da mesma forma e destes poucos estavam seguindo Serpente, pois muitos dos que partiram de Artrinco ficaram pelas cidades visitadas pelos caminhos, com a bênção de Serpente.
Algo nele inspirava confiança nas pessoas. Nunca alguém perguntou qual era seu nome, ou por que usava o nome Serpente, ou de onde teria vindo... mas sua postura indica que ele foi um homem nobre em algum momento mais jovem de sua vida.
Artron voltou a si, não sabia quanto tempo tinha durado seu devaneio. Era comum a ele perder a noção do tempo quando se lembrava dos dias anteriores, quando vivia em paz.

Algumas horas depois, quando o sol já estava surgindo, Artron começou a preparar café enquanto Serpente acordava os outros dois.
Comeram rapidamente e tomaram mais um gole de vroska. A bebida desceu quente e revigorante.
Pegaram as coisas e começaram a caminhar floresta a dentro.
O ar fresco matinal batia na copa das árvores e sacudia suas folhas docemente, provocando um farfalhar agradável aos Irdos, que são seres ligados à natureza por sua própria natureza.
Tudo parecia bem, até que por volta das onze horas ouviram o hurro do dragão. Eles pararam, mas não viram a fera. Logo veio outro hurro, mais forte e brutal. O primeiro voltou a soar.
- Eles sabem que estamos aqui. – Disse Londe para si mesmo, olhando para o alto.
- Não. Eles estão brigando. – Respondeu Serpente.
- Pelo que? – Perguntou Dral.
- Território, talvez. Comida, quem sabe. Como eu saberia? – Respondeu Serpente – Vamos continuar com cuidado.
Caminharam mais duas horas, sem outros sinais dos dragões. Pararam somente para almoçar, mas não demoraram. Serpente queria chegar o mais próximo possível da montanha ainda naquele dia.
Conforme continuaram caminhando, a floresta foi se tornando mais densa, de modo que a luz começou a ficar mais rara dentro da floresta.
Dral insistiu para que pudessem usar luz. Serpente aceitou, desde que criassem uma pequena fonte de luz com a mão, que deveria ficar sempre apontada para baixo para apenas iluminar o caminho e dificultar a visão de alguém ao longe.
- Por que tanto problema com isso? Não há mais ninguém aqui, há? Todos fugiram, lembra? – Perguntou Dral enquanto uma pequena bola de fogo surgia em sua mão.
Serpente respirou fundo e começou a falar:
- Eu posso não saber muito de dragões, mas sei que eles só saem do lugar que vivem se perderam o lugar numa luta para outro ser mais poderoso. Na menoria dos casos um dragão selvagem se submete a outro ser... mas sendo esse o caso, não duvido que tenha sido mandado para cá de propósito, ou sozinho.
- Mas quais são as chances de um dragão se submeter a receber ordens? Isso é quase impossível! – Disse Artron, alterando um pouco a voz.
- São as mesmas chances de alguém derrotar um dragão. Entretanto, esse veio para cá... ou porque alguém o mandou, ou porque perdeu território.

Aquele dia passou sem mais problemas, bem como o dia seguinte, quando finalmente as árvores começaram a ficar mais espaças até se tornarem inexistentes, pois o solo agora era rochoso. Algum tempo mais de caminhada, e finalmente chagaram ao pé da montanha.
Sir Alucard
Sir Alucard
Membro
Membro

Mensagens : 5
Reputação : 1
Data de inscrição : 15/04/2010
Idade : 29
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty Re: A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Mensagem  [WM] Morgado em Qui 22 Abr 2010, 15:30

alu...está muito bom mesmo
continua escrevendo ^^
Não posso negar que você foi umas das pessoas que me incentivaram a escrever ^^
muito bom mesmo
[WM] Morgado
[WM] Morgado
Admin
Admin

Mensagens : 145
Reputação : 4
Data de inscrição : 11/04/2010
Idade : 28
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty Re: A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Mensagem  Nihal. em Sab 12 Jun 2010, 01:54

Ah, quero mais. Gostei de verdade. *-*
Todas as fics que eu gosto, não tem posts recentes. Parece até conspiração, HSUAHSUAHS

See ya.
Nihal.
Nihal.
Membro
Membro

Mensagens : 19
Reputação : 0
Data de inscrição : 22/05/2010
Idade : 29
Localização : RJ.

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty Re: A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Mensagem  Radamael em Dom 13 Jun 2010, 01:28

Esta está no estilo que eu mais gosto!

Adoro mundos medievais mágico... Vicio em D&D...

Espero ansiosamente novos posts
Radamael
Radamael
Membro
Membro

Mensagens : 73
Reputação : 0
Data de inscrição : 09/06/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro Empty Re: A História da Família Tradill - Por Bruno Ribeiro

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum